Dezembro 2007

21/12/2007

Natal e Ano Novo.



Normalmente nessa época ficamos emocionalmente mais sensível, lembranças, saudades, viagens, reencontrar pessoas e isso para muitos é um pouco complicado, mas tente fazer da melhor forma, sem exigir muito de você, sem se estressar, nem se deixe dominar pelas emoções.
Um novo ano esta chegando prepare-se para fazer diferente, novas conquistas, novas esperanças, esqueça o que já passou e recomece uma nova vida,Renasça!
Quero desejar a todos um Feliz Natal e um próspero Ano!beijoss

11/12/2007

Sindrome do Pânico e suas manifestações.






Em algumas pessoas, decorrente da sucessão das crises, os ataques de pânico podem se associar a outras manifestações de ansiedade, como depressão, agorafobia ou TOC (Transtorno Obsessivo Compulsivo). Por esta razão, o esquema terapêutico elaborado para o tratamento deve incluir os distúrbios concomitantes.
As causas exatas dos ataques de pânico são ainda desconhecidas, mas existem fatores que desencadeiam ou agravam esta ocorrência e que podem ser catalogados como físicos e psicológicos.
No aspecto biológico, acredita-se que os portadores da síndrome apresentem um desequilíbrio entre neurotransmissores, como a serotonina e a noradrenalina, que atuam sobre o Sistema Nervoso Central.
Uma outra possibilidade é que o organismo se “convence” de um modo errado, de que realmente está sufocado, por exemplo, e, conseqüentemente, produza mecanismos para se defender. Sempre que o nosso cérebro percebe um perigo, ele envia uma mensagem que ativa uma espécie de alarme de proteção ou sistema de alerta, que prepara o nosso corpo para brigar ou fugir, exigindo que todo o organismo mobilize energia para entrar em ação. As crises, portanto, parecem ter origem na deflagração deste mecanismo de defesa, sem que haja efetivamente um motivo para isto.
No aspecto psicológico, na maioria das vezes, as crises podem ser desencadeadas por episódios estressantes como a morte de uma pessoa da família, divórcio ou separações.
Os ataques de pânico podem ser eficazmente tratados. Em função de produzir alterações físicas e psicológicas, há dois tipos de tratamentos disponíveis, o medicamentoso e o psicoterapêutico, que podem ser usados simultaneamente.
A psicoterapia auxilia o indivíduo na mudança de seus conteúdos mentais e dos seus padrões de conduta, ajudando-o a prevenir o aparecimento dos sintomas.
Os medicamentos prescritos atuam diretamente sobre o sistema neurotransmissor, bloqueando as crises de pânico. Qualquer que seja a medicação prescrita é importante que ela seja suspensa apenas por determinação médica.
O mais importante, no entanto, é que o paciente acredite que os ataques de pânico podem ser perfeitamente controláveis, desde que se siga com tranqüilidade, confiança e persistência as orientações instituídas pelo(s) profissional(is) responsável(is).
Indispensável esclarecer que, embora a gravidade da crise, o distúrbio do pânico não leva o paciente à morte, apesar de dar-lhe esta estranha e dolorosa sensação.


05/12/2007

Acredite em Deus! Acredite em Voce!





Após algumas crises e recaídas o primeiro pensamento que temos é o desanimo, achamos que nunca mais ficaremos bom. Dominar os pensamentos negativos é um grande desafio, pois eles estão presente a todo momento em nossa mente, sempre achamos que aquele sintoma não faz parte da síndrome do pânico e sim de uma outra doença grave e isso se torna um vicio pensar somente em coisas ruins, seja com as pessoas que amamos ou com nós mesmo.
É preciso ser mais insistente que os nossos pensamentos;
Eu particularmente coloquei em minha mente;
Se posso criar esses pensamentos ruins, posso criar pensamentos bons;
Se posso fazer meu coração acelerar, posso acalma-lo;
Se posso respirar rapidamente, posso respirar calmamente;
Passei a prestar atenção no que eu estava fazendo de errado comigo e corrigir imediatamente, antes de chegar ao extremo.
Se me sinto triste, procuro algo pra me deixar feliz.
Se me sinto desanimada, procuro algo pra me dar coragem.
Se me sinto feia, procuro me arrumar pra ficar melhor.

Procure ajuda medica, faça tratamento corretamente, não pare com a medicação por conta própria, saiba que os remédios deram pra fazer efeito, tenha paciência,mas acima de tudo mude suas atitudes, você vai se sentir muito melhor.

Amigos(as) deu certo para mim, e vai dar pra você também.
Acredite em Deus e acredite em Você também.

Podemos mudar para melhor.